Laboratória: Educação em tempos incertos

Regina Acher, Brazil Partner & Country Director

A propagação da COVID-19 está desafiando o mundo em muitos aspectos e, com a recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) de distanciamento social, as empresas estão enfrentando desafios inimagináveis. No campo da educação não é diferente e hoje temos como objetivo continuar formando pessoas de maneira remota para que estejam preparadas para lidar com incertezas em um mundo que se transforma a cada minuto.

Como formamos talentos para a era digital desde o início da Laboratória, construímos, ao longo dos anos, alguns princípios que vemos como fundamentais para garantir que as experiências de aprendizagem sejam realmente transformadoras, sendo elas remotas ou não.

Primeiramente, é muito importante que as estudantes se empoderem do próprio processo de aprendizagem.

Quando estudamos porque somos obrigados, nossa produtividade é muito menor. O mesmo ocorre quando não temos claro do porquê adquirir novas habilidades. Sendo assim, é fundamental que cada pessoa seja responsável por sua aprendizagem e que os cursos existentes, como o nosso bootcamp, possam estimular um ambiente seguro que proporcione que cada um guie seu próprio caminho.

Além disso, é fundamental colocarmos em prática o que aprendemos, ou seja, podemos dizer que, quando “colocamos a mão na massa”, entendemos melhor determinados conceitos e como aplicá-los no dia a dia. Na Laboratória, por exemplo, as alunas são divididas em grupos (squads) onde trabalham em projetos e, por meio deles, vão se desafiando e se transformando. Trabalhávamos dessa maneira nos bootcamps presenciais e fomos capazes de adaptar esse modelo para a turma online.

Veja também:
Home office e a segurança de rede das empresas
ITA oferece cursos gratuitos de TI online

Todos nós aprendemos com ritmos distintos. É muito importante respeitarmos o tempo e a individualidade de cada um. Em um ambiente remoto de aprendizagem, esse pilar pode ser potencializado, pois cada um pode escolher se precisa se aprofundar em determinado tema e qual é o momento mais apropriado para isso.

Por fim e não menos importante, a colaboração é um pilar fundamental. Aprender em equipe é muito mais motivador do que aprender sozinho e, ao ter um objetivo em comum, os estudantes se sentem mais unidos entre eles e com a equipe de formação, tendo mais vontade de aprender e evoluir.

O cenário sem precedentes é desafiador, mas o lado positivo é que temos a oportunidade de criar experiências remotas de aprendizagem que sejam cada vez mais acessíveis e melhores. Podemos impactar, em um futuro breve, um número muito maior de pessoas com a educação à distância e, dessa maneira, transformar mais vidas na sociedade. É um caminho sem volta.

Regina Acher é cofundadora da Laboratória no Brasil. Atualmente 55 mulheres estão participando da quarta geração de alunas no país e, devido ao cenário atual, o bootcamp está sendo realizado de maneira online em todos os centros da América Latina.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on telegram
Luan Morais

Luan Morais

Analista de Suporte e Infraestrutura | Criador da página TI da Depressão | Fundador Hub da TI. Quer conversar sobre tecnologia? Manda um e-mail para: E-mail para: contato@techdicas.net.br
Luan Morais

Luan Morais

Analista de Suporte e Infraestrutura | Criador da página TI da Depressão | Fundador Hub da TI. Quer conversar sobre tecnologia? Manda um e-mail para: E-mail para: contato@techdicas.net.br
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on telegram