Forense Digital: o mercado em tendência no cenário

Forense Digital

A transformação digital tem causado grandes efeitos no mercado de trabalho. O setor de tecnologia é um cenário empresarial que vem crescendo em todo o mundo, principalmente no Brasil. E essa expansão atrai olhos para toda a sociedade que almeja sua colocação. 

Segundo um estudo realizado pela Empresômetro, empresa de inteligência de negócios, o crescimento do ambiente digital para os negócios teve um registro de 118% em dez anos. Dentre as atividades em destaques no cenário estão o serviço de manutenção, suporte e outros em tecnologia da informação, que apresentou um crescimento de 119% em dez anos e hoje são mais de 4,6 mil novos negócios.

Com o cenário digital em constante evolução, é comum que novas áreas venham ser exploradas e apresentadas. Uma delas em destaque é o Forense Digital.

RootDay web Conference

Entenda o que é este mercado em tendência no setor: 

Conhecida também como computação forense. Esta é uma área que lidera a aplicação de técnicas de investigação científica a crimes e ataques digitais. É um setor crucial do direito e dos negócios na era da Internet. 

Uma análise forense digital possui um processo que passeia por tradicionais procedimentos como a identificação, preservação, exame e análise de evidências digitais, adaptadas a conceitos científicos aceitos e validados. O termo ainda pode ser usado para descrever qualquer tipo de investigação de ataques cibernéticos, mesmo que a aplicação da lei ou o sistema judiciário não estejam envolvidos.

Especialistas em análise forense digital podem atuar nos setores público e privado. O Champlain College, nos EUA, por exemplo, possui seu próprio programa forense digital com uma descrição mais generalizada: “Profissionais forenses digitais são chamados a entrar em ação assim que uma violação ocorre e trabalham para identificar o hack, entender a fonte e recuperar os dados comprometidos.”

A atuação no mercado 

Existem várias situações que possam exigir uma análise forense digital que defina como os profissionais forenses devem proceder em sua busca para coletar e entender as evidências. Embora estes possam variar, a maioria dos processos segue quatro tipos de etapas:

  • A análise: quando os dados coletados são usados ​​para provar ou em outros casos, desmentir o ocorrido. E para cada item de dados relevantes, os profissionais devem buscar as respostas das questões de como quem criou? quem editou? como foi criado? quando tudo isso aconteceu? – determinando como isso se relaciona com o caso.
  • A coleção: na qual a evidência digital é adquirida. Isso geralmente envolve a apreensão de computadores, telefones ou discos rígidos. A mídia de armazenamento, por exemplo, pode ser copiada ou gravada nesta etapa para manter o original em um estado original como referência.
  • O exame: quando diversos métodos são usados ​​para identificar e extrair dados. Esta etapa pode ser dividida em preparação, extração e identificação. Decisões importantes a serem tomadas neste estágio são: lidar com um sistema que esteja ativo (por exemplo, ligar um laptop apreendido) ou morto (conectando um disco rígido apreendido a um computador de laboratório). 
  • E reportar: onde os dados e análises são convertidos em um formato que pode ser compreendidos por qualquer pessoa. Ser capaz de criar tais relatórios é uma habilidade absolutamente crucial para qualquer pessoa interessada em análise forense digital.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on telegram
Luan Morais

Luan Morais

Analista de Suporte e Infraestrutura | Criador da página TI da Depressão | Fundador Hub da TI. Quer conversar sobre tecnologia? Manda um e-mail para: E-mail para: contato@techdicas.net.br
Luan Morais

Luan Morais

Analista de Suporte e Infraestrutura | Criador da página TI da Depressão | Fundador Hub da TI. Quer conversar sobre tecnologia? Manda um e-mail para: E-mail para: contato@techdicas.net.br