Empresas devem desconstruir paradigmas e criar oportunidades para talentos femininos no setor tech 

Imagem: reprodução pexels

A indústria de tecnologia já pôde constatar que equipes homogêneas levam à criação de produtos com vieses, baseados em estereótipos e que não atendem às inúmeras necessidades dos usuários. Além disso, perceberam que essa situação tem consequências econômicas e que pode ser evitada com estratégias efetivas de inclusão, principalmente para promover a carreira de mulheres em cargos de liderança.

 Deixo aqui cinco reflexões para as empresas:

  1. Os usuários são diversos e, por isso, querem produtos diferentes – Com mais diversidade, as empresas conseguem ter pessoas diferentes pensando e refletindo sobre um único tema, trazendo distintos olhares e garantindo produtos e serviços muito mais versáteis e inclusivos.
  2. O mercado de tecnologia continua a ser predominantemente masculino – um estudo realizado pela Laboratória, em conjunto com o BID Lab, mostra que apenas 25% dos profissionais de TI do mundo são mulheres.
  3. Ainda existe uma grande demanda de talento tech feminino no Brasil. A Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) projeta uma demanda de 797 mil talentos de tecnologia entre 2021 e 2025, em média 159 mil ao ano.
  4. Um estudo do FolhaCarreiras aponta que, apesar das demissões em larga escala no mercado de tecnologia terem marcado o setor nos últimos meses, ainda existe uma procura crescente por  profissionais de TI.
  5. Ter colaboradores diversos, não é bom apenas para as pessoas, mas também para os negócios – é o que mostra um estudo realizado pela “KPMG 2021 CEO Outlook”, com mais de mil CEOs de todo o mundo: 56% deles admitiram que sua organização pode ter dificuldades para lidar com as crescentes expectativas de inclusão, diversidade e equidade do público, investidores e governos.

A Laboratória é fonte de talento tecnológico feminino para empresas e organizações que procuram aumentar a diversidade das suas equipes de tecnologia. Já formamos mais de 3.100 alunas em programação web na América Latina. E desde 2020, 87% das graduadas conquistaram seu primeiro emprego na área.

Mas não podemos trabalhar sozinhos, é necessário que as empresas mudem suas mentalidades, desconstruam paradigmas e implementem estratégias de incentivo à contratação de mulheres neste setor. Se unirmos esses esforços, conseguiremos potencializar nosso trabalho. Mais mulheres trabalhando em tecnologia significa mais mulheres construindo o futuro da América Latina

Por: Julia Diniz, Gerente de Desenvolvimento de Negócios da Laboratória

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on telegram
Luan Morais

Luan Morais

Analista de Suporte e Infraestrutura | Criador da página TI da Depressão | Fundador Hub da TI. Quer conversar sobre tecnologia? Manda um e-mail para: E-mail para: contato@techdicas.net.br
Luan Morais

Luan Morais

Analista de Suporte e Infraestrutura | Criador da página TI da Depressão | Fundador Hub da TI. Quer conversar sobre tecnologia? Manda um e-mail para: E-mail para: contato@techdicas.net.br